O financiamento imobiliário da Caixa Econômica Federal passou a ter novas regras. Entre as principais mudanças está o reajuste das parcelas, que agora serão realizadas com base na inflação. Para esclarecer dúvidas sobre o assunto, o presidente da Associação Nacional dos Mutuários (ANM-PR), esteve no estúdio da rádio CBN para conceder entrevista sobre o tema. 

 Suspensão de Leilão

O presidente da ANM-PR faz um alerta também para os números expressivos de leilões. No primeiro semestre, o número de imóveis leiloados cresceu 81%, quando comparado com o mesmo período em 2018. Os dados foram levantados pela Associação. Enquanto isso, o levantamento indica também uma queda de 52% no número de suspensões de leilão nesse mesmo período. 

Para o Copetti, grande parte desses leilões poderiam ter sido evitados por meio da Suspensão de Leilão, porém, muitos desconhecem essa modalidade e como procurar os seus direitos.

“Ao sentir dificuldades no pagamento das parcelas, recomendamos que o mutuário imediatamente procure assistência técnica. Entretanto, muitos chegam ao caso extremo de perder o bem, simplesmente por desconhecer as vias para regularizar a situação do imóvel”, alerta Copetti.

Orientações

É recomendável pela Associação tomar alguns cuidados antes mesmo de chegar ao caso extremo de ir a leilão. É importante sempre evitar de comprometer mais que 30% da renda na aquisição do imóvel. Além disso, sempre levar em consideração outros gastos com impostos, registro do imóvel e outras documentações. E em caso de dificuldade de negociação com o agente financeiro ou para evitar que o imóvel vá a leilão, procurar imediatamente uma assistência especializada.

Inversão de Juros 

 

O presidente ainda ressalta uma outra alternativa para manter o financiamento, que é a Inversão de Juros. “Poucas pessoas conhecem essa opção, mas esta modalidade prevê que o mutuário pague menos juros no início do contrato e mais juros ao final, ou seja, deixando as menores parcelas para o momento de dificuldade financeira e as maiores para o final do contrato de financiamento”, destacou. Essa opção, claro, com intermediação da ANM-PR.

 

Então, saiba mais informações acessando a entrevista do Presidente da ANM-PR para a rádio CBN Curitiba